- Foto: Divulgação

Educação

Educação em Pauta

Na sequência você confere as mais recentes notícias da semana sobre educação em tópicos. Para se aprofundar em cada assunto, é só buscar a matéria conforme a fonte da notícia. As atualizações dessa semana compreendem o período de 26/03 a 01/04.

Por: Redação
April 3, 2021, 7 a.m.

 

Para receber vacina contra a Covid-19, professores de SP terão de fazer cadastro obrigatório

Os professores de São Paulo, categoria incluída no plano de imunização contra a Covid-19, terão de fazer um cadastro obrigatório para receber as duas doses da vacina Coronavac. As regras foram divulgadas no início da tarde desta quinta-feira (1º) por Rossieli Soares, o secretário de Educação. Serão vacinados, a partir do dia 12 deste mês, os profissionais da Educação com idade acima dos 47 anos que atuam da creche ao ensino médio das redes pública e privada do estado de São Paulo. Para o governo paulista, neste grupo estão aproximadamente 350 mil profissionais –o equivalente a 40% dos trabalhadores do setor e que representam 66,5% das comorbidades entre quem atua na rede estadual, segundo Soares. Serão imunizados professores que estão em sala de aula, merendeiras, faxineiras, secretários da escola, coordenadores pedagógicos, diretores, vice-diretores e cuidadores. Para ter direito à vacinação, os profissionais terão de cadastrar dados pessoais e informações profissionais no site (vacinaja.sp.gov.br/educacao).

Fonte: Folha de SP

 

Mais de 6 mil trabalhadores da educação básica e ensino superior já foram vacinados contra a Covid-19, indica Ministério da Saúde

 

Mais de 6 mil trabalhadores da educação básica e ensino superior já receberam a vacina contra a Covid-19, dados divulgados na sexta-feira (26). O número ainda é pequeno frente ao total de pessoas que atuam em escolas e universidades, mas é um passo em direção à reabertura segura das salas de aula. De acordo com o Censo Escolar 2020, há 2,2 milhões de professores da educação básica e 161.183 diretores atuando nas 179,5 mil escolas no Brasil. No ensino superior, havia 339,9 mil docentes em exercício em 2019, dado mais recente disponível. Os dados não incluem outros profissionais da educação, como pessoal da merenda, secretaria e pedagogia.

Fonte: G1

 

Decreto eleva pressão para abrir escolas em SP e na capital decisão sobre as aulas presenciais é adiada para 12 de abril

 

O governador de São Paulo publicou no sábado (27) decreto que declara a educação atividade essencial, elevando a pressão para a reabertura das escolas mesmo à revelia das prefeituras. Na capital, a prefeitura adiou a volta às aulas presenciais nas escolas públicas e privadas de 5 para 12 de abril. A decisão está no decreto 60.158/21, publicado no Diário Oficial desta quinta-feira, 1º, no qual é ressaltado que ela pode ser prorrogada no caso de prolongamento da fase emergencial no Estado, a depender do agravamento da pandemia da covid-19. O decreto destaca que as escolas estão autorizadas a fornecer alimentos para os estudantes mesmo durante a fase emergencial. Além disso, uma instrução normativa da Secretaria Municipal da Educação, também publicada nesta quinta, estende o recesso escolar na rede municipal até 9 de abril.

Fontes: Folha de SP e Estado de SP

 

MEC terá plataforma para ajudar no planejamento da volta às aulas

 

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse nesta quarta-feira (31), em Brasília, que o governo lançará, em abril, um painel para monitoramento do retorno às aulas no ensino básico. O painel visa ajudar os gestores no planejamento do calendário escolar e trará informações sobre a suspensão e retorno às aulas e também sobre as condições sanitárias nas regiões em que se localizam as unidades de ensino.O ministro, que participou de uma audiência na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, disse que, entre os problemas que deverão ser enfrentados, estão comprometimento do calendário escolar em razão da pandemia, retrocessos do processo educacional e da aprendizagem, aumento da evasão escolar e danos sociais para estudantes e famílias de baixa renda. A estratégia passa pela adoção do ensino híbrido, com aulas presenciais e remotas, afirmou.

Fonte: Agência Brasil

 

Para 78% dos professores, crianças da pré-escola têm expressão oral e corporal afetadas durante a pandemia, diz pesquisa

 

Crianças da pré-escola (4 a 5 anos) estão apresentando sinais de déficit no desenvolvimento da expressão oral e corporal no período de suspensão das aulas presenciais, de acordo com uma pesquisa feita pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pela Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal. Os dados da pesquisa foram coletados em duas cidades – uma do Nordeste e outra do Sudeste. Foram ouvidos 2.070 professores e familiares de alunos matriculados em 77 escolas públicas, privadas e conveniadas. A falha na aprendizagem foi detectada por profissionais de educação ouvidos no levantamento. Para 78% dos professores, os pequenos estão se desenvolvendo menos do que deveriam. Ao todo, 4 milhões de crianças estão matriculadas em pré-escolas no país, segundo dados do Censo Escolar 2020. Confira na matéria outras informações apontadas pela pesquisa.

Fonte: G1

 

Com suspensão das aulas, cai o faturamento no setor da educação

 

Mesmo com a oferta de cursos a distância, as franquias de educação não escaparam dos efeitos da pandemia. O faturamento do setor caiu 10,7% em 2020, na comparação com 2019, de R$ 12,2 bilhões para R$ 10,9 bilhões, enquanto o número de unidades diminuiu 5%, de acordo com a Associação Brasileira de Franchising (ABF). “O segmento sentiu o impacto da pandemia, principalmente devido às políticas de isolamento social que levaram à suspensão de aulas presenciais”, analisa Sylvia de Moraes Barros, coordenadora da Comissão de Educação da ABF e franqueadora da rede The Kids Club, de inglês para crianças. Neste ano, de acordo com Sylvia, a tendência é de continuidade na evasão de alunos, com o agravamento da situação financeira das famílias. “Por outro lado, há uma demanda crescente por cursos profissionalizantes com foco em recolocação profissional.” Confira na matéria os números das redes Kumon, Maple Bear, Yes! Idiomas e marcas de idioma da Pearson.

Fonte: Valor

 

Contrapartida: Rede de escolas de inglês dobra de tamanho no ano da pandemia

Com foco em jovens dos 11 aos 18 anos das classes média e média-baixa, a rede de escolas de inglês e ensino profissionalizante Enjoy viu o número de franquias dobrar de tamanho no “ano da pandemia”. A rede contava com 65 lojas em março do ano passado e agora tem 127. “Atuamos junto a um público-alvo carente de iniciativas que realmente possam contribuir com a melhoria de sua condição de vida e temos consciência do enorme impacto social que promovemos”, diz Denis Sá, fundador da Enjoy. Atualmente, 87% dos franqueados contam com mais de uma unidade e 33% deles tem mais de três escolas. Com quase 20.000 alunos em 24 estados do país, a Enjoy planeja manter o ritmo de crescimento em 2021, atingindo 200 unidades até o final do ano.

Fonte: Veja

 

O que os pais esperam das escolas este ano?

 

Enquanto alguns pais dizem: “A gente precisa de menos conteúdo, está vindo muita atividade”. Outros falam justamente o oposto: “Eu preciso que esse ano a escola seja muito rígida, que realmente cobre mais conteúdo e aprendizado do meu filho”.  Há também aqueles que falam: “Precisamos de aulas síncronas, a gente precisa que a professora esteja ali na hora”. Mas há também pais que questionam: “Precisa de aula gravada, pois como o filho vai dar conta dos rodízios? Conciliar o desejo e anseios dos pais, principalmente em um momento atípico de pandemia, não é uma tarefa fácil para os gestores escolares. Mas será que o que as famílias querem hoje é muito diferente de 2020 para trás? Descubra o que mudou e as dicas das especialistas na relação família-escola Roberta e Taís Bento, fundadoras do SOS Educação, de como as escolas podem atender os pais da melhor maneira. Confira a matéria completa.

Fonte: Escolas Exponenciais