- Foto: Divulgação

Surf

Federação Paulista de Surf cria comissão provisória

O encontro aconteceu por meio virtual e contou com 10 associações de surf do Estado de São Paulo

Por: Redação
Feb. 20, 2021, 7 a.m.

 

Por aclamação foi criada a junta provisória que irá assessorar o administrador provisório da Federação Paulista de Surf (FPS), dr. Murilo Ferreira Lima, até que se convoque outra assembleia geral para definição do futuro da Federação. O encontro aconteceu na última segunda-feira, dia 15, e contou com a presença de presidentes de 10 associações de surf do Estado de São Paulo.

A votação, mediada pelo Dr. Murilo, foi realizada de forma virtual, pela Plataforma Zoom e começou pontualmente às 20 horas, com a presença dos dirigentes das associações de surfe de Bertioga, Caraguatatuba, Grande São Paulo, Itanhaém, Praia Grande, Santos, São Sebastião, São Vicente e Ubatuba.

Por unanimidade todos os presidentes apoiaram a formação da junta provisória que foi formada por Mauro Rabellé, presidente da Associação Santos de Surf (ASS), Marcos Terra, presidente da Associação Ubatuba de Surf (AUS) e Frank Constancio, presidente da Associação de Surf de São Sebastião (ASSS).

"Estamos conduzindo tudo com a maior transparência possível. A formação desta comissão é uma solução importante para chegarmos na próxima assembleia com pautas objetivas", explicou o Dr. Murilo Ferreira Lima, que está a frente da FPS por uma determinação judicial da 5ª Vara Cível de Santos.

O encontro virtual foi marcado por um clima de união e de esperança para o surfe paulista, como explicou o ex-presidente da Associação Santos de Surf (ASS), Reginaldo Ferreira Lima Filho,  responsável pela ação judicial que interviu na FPS. "É importante salientar que o que está acontecendo não é um ato de contrariedade ou mesmo impensado. É, na verdade, um passo importante para o crescimento do surfe paulista com decisões técnicas e administrativas", ressaltou Naldo.

 Segundo o atual presidente da ASS, Mauro Rabellé, São Paulo é detentor de três títulos mundiais no surfe, isso mostra a força dos atletas paulistas e, por outro lado, um Estado que estava praticamente sem Federação. "Estávamos sem representatividade nenhuma desde 2012", complementou.

Agora, em menos de 60 dias, a nova equipe irá preparar a pauta para a próxima assembleia para decidir o rumo da Federação Paulista de Surf (FPS).

 

Entenda o caso

 

O juiz da 5ª Vara Cível de Santos, Dr. José Wilson Gonçalves, determinou a intervenção judicial dia 14 de Janeiro (processo digital 1108072-60.2020.8.26.0100), na Federação Paulista de Surf (FPS) e indicou um administrador provisório. A ação foi provocada pela Associação Santos de Surf (ASS) no dia 4 de dezembro de 2020. A Federação Paulista de Surf desde 2012 está inapta para operar. Por essa e outras razões a decisão do juiz de indicar o administrador provisório.