- Foto: Divulgação

Educação em pauta

Brasil busca parâmetros sanitários e pedagógicos para reabrir escolas

Por: Redação
July 25, 2020, 7 a.m.

 

Em um país marcado por profundas desigualdades nas condições de aprendizagem, os desafios envolvem diálogos nem sempre consensuais sobre qual faixa etária deve reiniciar as atividades primeiro, a reorganização do conteúdo pedagógico e o momento ideal para avaliar o conhecimento dos alunos. Na linha de frente do debate sobre os protocolos de retomada estão órgãos como o Conselho Nacional de Educação (CNE), o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), além de organizações da sociedade civil e pesquisadores, que defendem a adoção de estratégias para lidar com os impactos emocionais da pandemia como uma das prioridades da retomada. O "Desafios da Educação" reuniu em um post os principais pontos de atenção para a retomada. Confira aqui.

Fonte: Desafios da Educação

 

Aulas remotas: 82% dos pais e alunos avaliam que escolas particulares vêm se saindo bem

O Escolas Exponenciais – líder em pesquisa e apoio estratégico para instituições de ensino – acaba de divulgar o “Diagnóstico Nacional da Educação”, estudo que envolveu cerca de 137 mil famílias e 12 mil professores de escolas privadas de todo o Brasil. Com o intuito de fazer um “Raio X” do relacionamento entre pais e instituições de ensino durante a pandemia, o levantamento mostra que o ensino remoto feito atualmente pelas escolas particulares brasileiras – consequência mais imediata do fechamento das escolas, executado em todo o país como medida de contenção da propagação do vírus – é aprovado por 82,4% dos pais de alunos. Quando perguntados sobre a qualidade das aulas online, a nota média dada pelos pais é 8 e, para a qualidade da comunicação entre escolas e pais, 8,6. As ações tomadas pelas escolas particulares durante a pandemia também estreitaram a relação com as famílias. 42,4% dos pais disseram que seu relacionamento com a gestão da escola saiu fortalecido e 48,5% relataram que a proximidade permanece a mesma. Apenas 9,1% dos pesquisados responderam que o laço com a escola se enfraqueceu no período.

Fonte: Direcional Escolas

 

Escolas de educação infantil fecham as portas durante a pandemia

Mais afetadas pela crise, escolas particulares da educação infantil de São Paulo estão fechando as portas e aquelas que não encerraram as atividades registram queda de até 80% nas receitas e perda de metade dos alunos. Até setembro, data prevista para o retorno presencial, temem não conseguir ficar de pé. A fim de manter o vínculo com estudantes e pais, algumas instituições apelam para atividades remotas, grupos online e até festinhas no estilo drive-thru. Presidente da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), Ademar Batista Pereira estima que 10% das escolas de educação infantil particulares já tenham fechado no Brasil e as unidades que atendem crianças de 0 a 5 anos tenham perdido 60% dos alunos. O Semeei, sindicato que representa as escolas de educação infantil de São Paulo, prevê que 80% dos colégios particulares para essa faixa etária (dos 12 mil existentes no Estado) não consigam reabrir em setembro, quando deve ser autorizado o retorno presencial. 

Fonte: Estadão

 

Apenas 4 séries do ensino fundamental terão retorno presencial no Rio

As escolas particulares da cidade do Rio de Janeiro só poderão retomar para alunos dos 4º, 5º, 8º e 7º anos do ensino fundamental, segundo o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos). Retorno está marcado para o próximo dia 3. Aulas presenciais para todas as série devem acontecer só em 2021. A prefeitura afirmou que o retorno destes anos específicos se faz necessário por alunos estarem em “fase de transição”. Isto porque os 4º e 5º anos vão para o Fundamental II, enquanto alunos dos 8º e 9º anos vão para o Ensino Médio. Além disso, crianças destas idades já conseguem cumprir com as normas de proteção sanitária diante da pandemia do novo coronavírus.

Fonte: Último Segundo

 

Maranhão se prepara para retorno das aulas presenciais em agosto

Escolas da rede privada e pública do Maranhão se preparam para a volta às aulas. A retomada será baseada em protocolos sanitários e pedagógicos e devem optar, por exemplo, pelo ensino híbrido (com aulas online e presenciais). Algumas unidades de ensino privadas optaram pelo retorno das atividades presenciais no dia 3 de agosto, de acordo o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Privado do Maranhão (Sinep), que representa mais de 50 escolas e universidades particulares no estado. A medida vale para séries da educação infantil, ensino fundamental, médio e superior e, segundo o sindicato, a volta não será obrigatória. Já a portaria emitida pelo Governo do Maranhão, na segunda-feira (20), determinou que as aulas da rede estadual sejam retomadas no dia 10 de agosto e somente para o terceiro ano do ensino médio.

 

Unicamp cancela ingresso para universidade por meio do Enem

A Unicamp anunciou, nesta quarta-feira (22), que não será possível o ingresso por meio do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) em 2021. A Unesp também avalia não usar a nota do exame nacional neste ano para a seleção de alunos. Entidades criticam a decisão de não usar o Enem para a seleção. A universidade alega incompatibilidade de calendário com o Enem, que teve a prova adiada por causa da pandemia do novo coronavírus --agora, a previsão é que as provas em papel aconteçam nos dias 17 e 24 de janeiro de 2021 e, as digitais, em 31 de janeiro e 7 de fevereiro de 2021. Com a nova data de realização da prova, a divulgação dos resultados só será feita em 29 de março, após o início do ano letivo na Unicamp, que está previsto para 15 de março. Agora, as 639 vagas previstas via edital serão transferidas para o vestibular —totalizando, assim, 3.234 vagas.

Fonte: Folha de S. Paulo