- Foto: Divulgação

Caraguatatuba

FAKE NEWS: Instituto Argonauta desmente aparecimento de tubarão na Praia Massaguaçu

Por: Redação
Oct. 22, 2019, 7 a.m.

 

Trata-se uma Fake News (notícia falsa), a informação de aparecimento de um possível tubarão na Praia Massaguaçu, na Região Norte de Caraguatatuba. Segundo o Instituto Argonauta, o animal que encalhou na praia é um tipo de cetáceo da família dos Golfinhos (Odontoceto).

O gerente da base do Instituto Argonauta em São Sebastião, Manuel Albaladejo, informa que receberam um acionamento na manhã de quinta-feira sobre este animal. “Existem duas espécies muito parecidas, pelas imagens fica difícil dizer com certeza, mas acreditamos ser um ‘Cachalote anão’, parente dos golfinhos”.

Segundo ele, apesar de ter encalhado e aparentemente ferido, como mostram algumas imagens, ele conseguiu retornar para a água antes que pudesse ter recebido alguma ajuda.    

“O aparecimento desses animais por aqui é raro, mas não é uma ocorrência nova. Destacamos também que não houve ataque a nenhuma pessoa”.

Ainda conforme Albaladejo, é possível que esse animal tenha sido avistado já na parte da tarde em Ilhabela.

 

Características

Os cachalotes anões são as mais pequenas das espécies do gênero Kogia sima. Os adultos têm cerca de 2,7 metros de comprimento e pesam até 270 kg. A longevidade não é conhecida nesta espécie, no entanto não parece ser longa pois o indivíduo de mais idade conhecido até à data apenas tinha 22 anos.

A coloração dos adultos é entre o cinza-azulado-escuro e o castanho-escuro no dorso e mais claro no ventre. Muitas vezes a barriga apresenta uma tonalidade rosada. Lateralmente na cabeça, entre o olho e a barbatana peitoral, apresentam uma marca mais clara em forma de “C”, que costuma chamar-se de “falsa guelra”.

O corpo é robusto, o perfil da cabeça é triangular ou quadrado e o maxilar inferior é muito estreito. A barbatana dorsal é larga, falcada e numa posição central no dorso.

As espécies do gênero Kogia alimentam-se principalmente de cefalópodes (lulas e polvos) mesopelágicos e bênticos, consumindo ocasionalmente peixes e crustáceos (camarões e caranguejos).

Desconhece-se muito sobre a sua estrutura social, mas existem registros de grupos de até 10 indivíduos, de ambos os sexos e várias idades.

Fonte: Prefeitura Municipal de Caraguatatuba