“Friks- O musical das emoções” - Foto: Divulgação

Editorial

Investimento para o futuro

Por: Melissa Schirmanoff
Oct. 5, 2019, 7 a.m.

 

O Teatro Municipal Pedro Paulo Teixeira Pinto recebeu no final de semana passado jovens integrantes do Projeto Social Juntos - Pode Crer da Oficina dos Menestréis de Ubatuba que apresentaram em duas sessões o espetáculo de Candé Brandão “Friks- O musical das emoções”.

No palco, 50 jovens fizeram uma apresentação incrível transmitindo ao público situações que envolvem grandes oscilações de sentimentos como a alegria, o medo, o amor, a angústia, e tudo isso com uma galera transpirando emoções e revelando talentos.

O texto é ótimo e a surpreendente interpretação dos jovens que dão vida ao espetáculo sob a direção de Luu Chaer torna a apresentação perfeita. Se tem alguma falha, sinceramente, é ofuscada pela capacidade de todos em improvisar que aliás é uma das vertentes desenvolvida no projeto e assim, passa batido.

A Oficina dos Menestréis de Ubatuba deu início ao "Projeto Juntos – Pode Crer" em 2013, promovendo um curso montagem, específico e beneficente para um grupo de jovens menos favorecidos, com idades entre 13 a 18 anos, estudantes das escolas públicas de Ubatuba.

O objetivo do projeto é promover a oportunidade de vivenciar, aprender e desenvolver a arte, cultura, educação e lazer aos jovens das comunidades da cidade.

Mas foi a partir de uma parceria com o Projeto Namaskar que a coordenadora e assistente social Erika Lunardi, conseguiu o apoio da Secretaria de Desenvolvimento e Cidadania para que o projeto que já existia pudesse crescer ainda mais e o resultado disto tudo é que 250 jovens se inscrevem todos os anos para integrá-lo. Duzentos e cinquenta. Destes, só cinquenta são selecionados porque é o que a estrutura em parceria comporta.

Este não é o único projeto social envolvendo jovens na cidade.

A Experimental de Dança de Ubatuba recebe todos os anos um número considerável de jovens interessados em fazer parte do “Projeto Social Sonhos Dançantes” mantido pela escola e que tem surpreendido bastante ao revelar talentos. Na seletiva, infelizmente, muitos ficam de fora porque a procura é maior que a oferta de vagas.

Saloly Furtado Escola de Dança também acredita muito no valor e na importância da inclusão. A escola oferece bolsas que podem chegar a 100% para os inscritos em uma audição de novos talentos que realiza desde a inauguração da escola.

Não podemos esquecer da Guarda Municipal que recebe também jovens encaminhando-os para a primeira experiência profissional. Do Gaiato, que oferece muitos cursos de iniciação musical à arte circense a crianças e jovens até 18 anos e do “Projeto Guapurubu – Aprendendo a aprender” da Associação Esportiva de Ubatuba que oferece muitos cursos às crianças e jovens em horário do contra turno escolar.

Podemos grosseiramente concluir que não faltam em Ubatuba jovens atrás de boas oportunidades para se ocuparem de maneira produtiva aprendendo uma arte, expressando-se através da dança, iniciando o aprendizado num ofício que lhe garanta algum retorno financeiro, numa oportunidade da primeira experiência profissional ou para o seu desenvolvimento numa prática esportiva.

E não faltam pessoas engajadas em ações de inclusão social voltada aos jovens oferecendo ocupações variadas para atender a todos os gostos.

Faltam vagas! Faltam mais parcerias firmadas. Faltam mais investimentos. Faltam mais oportunidades. Os projetos existentes precisam de mais apoio financeiro.

Enquanto isso não acontece, vão continuar sobrando incontáveis jovens esperando a sua vez. Enquanto esperam, fazem o quê? Em plena juventude com suas múltiplas inquietudes?

Sempre dizia a minha avó: “Mente vazia, oficina do diabo”.

Eles precisam se ocupar com atividades que despertem neles suas potencialidades. Dá orgulho de ver o resultado. E quem neles investe, tem o seu nome divulgado.

Investir em projeto social voltado às crianças e jovens é investir no futuro. E não é chavão falar isso não!