Editorial

A luz do vizinho

Por: Melissa Schirmanoff
Sept. 7, 2019, 7 a.m.

 

Falar mal dos outros. Para alguns é um hábito tal como escovar os dentes todos os dias após as refeições. Tem muitos, aliás, que deixam de escovar os dentes para falar mal dos outros.

Já parou para pensar o quanto é desagradável numa roda de conversa ou mesmo apenas entre duas pessoas, uma delas falar mal de outra pessoa?

E, em se tratando de negócios, seja um comércio, um empreendimento, uma prestação de serviço, falar mal de um concorrente é 1.000% pior principalmente se for desse modo que se tenta convencer o outro de que o que se tem a oferecer é melhor.

A quem pensa que assim convence e do que exatamente?

Não adianta você querer provar que o seu é melhor falando que o do outro é pior. Isso denota insegurança, atesta a incapacidade de apresentar um produto ou serviço que realmente tenha qualidade sem falar que também provoca mal estar em quem está negociando com você.

Você não precisa diminuir ou difamar um concorrente para crescer.

Busque um diferencial, busque ideias inovadoras. É para esse perfil de empreendedor que o futuro abre suas portas, para o qual não faltam clientes, não faltam parceiros, não faltam investidores.

Já dizia a minha avó: “Você não precisa apagar a luz do vizinho para acender a sua!” O tempo passa e hoje vejo o quanto à frente do seu tempo ela estava! Meus avós foram grandes empreendedores numa época que essa palavra nem existia e eles nunca temeram concorrência alguma. Sabiam que sempre haveria espaço para aqueles que mantém o foco no seu trabalho, buscando sempre atender às necessidades do mercado, a ele se adaptando constantemente, apresentando novidades, sempre se reciclando, se atualizando.

Já viu como é o caminhar de uma pessoa que tenta andar em linha reta olhando apenas para o lado?

Uma bailarina, para dar inúmeras piruetas, além da força e do equilíbrio, como parte da técnica empregada, precisa fixar o olhar num ponto distante e à frente e sempre retomá-lo para ao final, ser aplaudida.

Quem se concentra em falar mal do outro não tem nada de bom a oferecer. Pense nisso!

Vamos crescer, Ubatuba!